Salmão em papillote

Cozinhar “en papillote” é um processo é um processo relativamente simples. Principalmente tendo em conta o resultado final de sabores. Aqui um exemplo rápido com um filete de salmão, alho francês, e erva-doce, a envolver numa folha de papel de alumínio. Fundamental a componente liquida a acompanhar a preparação. Um pouco de azeite antes de deitar o salmão, uma noz de manteiga, sumo de laranja e limão. Quantidades a olho. No forno forte pelo menos 15 minutos.

papiotesalmao

Nostalgia de …frango verdadeiramente assado.

Hoje o almoço foi simples. Um frango do campo assado no forno e recheado.. Lentamente num suplicio de quase 2 horas para todos os que sentiam os aromas únicos que preenchiam a casa e o prédio.  Como deve ser. Como era no tempo da nossa meninice. Quando os fornos de assar não tinham dado lugar aos modernos grelhadores a carvão ou similares. Frango assado não é frango na brasa. Frango assado era um espeto a rodar com a gordura a cair. Era um cheiro que se sentia quase a quilómetros de distância. Era uma carne que se bem assada  se desfazia apenas com o garfo. Há cheiros mágicos que se vão perdendo. Este é um deles. E por nossa culpa. Cada vez que nos vendem uma porcaria grelhada e quase carbonizada a passar por frango assado.

IMG_20141214_153523

 

 

 

 

 

 

Será que dá Medina no Hawaii

Será que o menino chorão trás o primeiro título mundial de surf para o Brasil? Será Medina a próxima foquinha brasileira? Que o miúdo é bom ninguém duvida. tem muito de Ayrton naquela sua maneira de ganhar. E está a anos luz de outros contenders verde e amarelos. Resta saber se tem estrutura mental para ser campeão do Mundo aos 20 anos igualando um feito do Deus Kelly. Pipeline mais uma vez à beira de ver escrito um capítulo de ouro na história do surf profissional.

Este excelente  artigo da Época traduz bem a razão de toda a atenção em redor do do fenómeno Medina. Milhões de razões para isso, na verdade.

Mednay “Nunca vi tanta gente interessada em surfe. É assustador”. Um assessor de imprensa de uma marca de surfe corria, gritava, pulava. Valia de tudo para tentar organizar um batalhão de jornalistas atrás de um mísero minuto com Gabriel Medina. Era uma manhã do final de outubro e o surfista havia acabado de desembarcar no Brasil para um período de descanso e treino em Maresias (SP), onde mora. Ele vinha de uma derrota em Peniche, etapa do WCT (World Championship Tour, principal categoria do surfe), realizada em Portugal. Poderia ter sido campeão mundial ali, mas saiu da água antes do término da última bateria e a decisão ficou mesmo para as fortes ondas de Pipeline, no Havaí.

Clique para ler artigo completo

 

Boas inspirações gastronómicas

Porque o El Corte Inglés também é cozinha, uma área de sugestões de receitas muito bem organizada. Vale a visita

Muito bem concebida a área de receitas do El Corte Ingles. Vale a pena clicar. Bem escolhidos os pratos e tudo explicadinho preto no branco.

http://www.apetece.elcorteingles.pt/category/receitas/eci_receitas

American dream

Sim…os americanos não sabem onde é Portugal, e são brutos, burros, o mal do mundo,  e mais todos os preconceitos de esquerda anti Uncle Sam que queiram utilizar. A cena é que não estou a ver 4 putos de Chelas ou de outra zona desfavorecida de Portugal, participarem numa competição de robótica e limpá-la como se nada fosse. É que a a maçada da igualdade de oportunidades lá é levada pelo menos um pouco mais a sério.

Por isso fica a dica da noite para ler antes de dormir. Um excelente artigo da Wired, daqueles que fizeram dela publicação culto em algumas partes do mundo:

http://www.wired.com/2014/12/4-mexican-immigrant-kids-cheap-robot-beat-mit/team-660x505

Philips Soup Maker- a nova sopeira

transferir

 Não sou dado a gadgets na cozinha. Anti-bimby confesso embora entenda que para certas pessoas os robots de cozinha surjam como uma muleta preciosa. Um pouco nesse sentido, adquiri recentemente um auxiliar eletronico, no caso uma máquina de sopas da Philips…a Soup Maker entrou em cena para encarregar-se da rotina diário de cozer e misturar legumes com água. Ajuda a manter livre um bico de fogão e poupa à limpeza alguns utensílios.

E a avaliação? Positiva até agora…quer no ponto que os programas permitem quer na autonomia de operação da mesma. Ganham também as sopas. É que destinando-se a máquina à produção de doses suficientes para uma refeição ( 4 a 5 adultos), a cozedura é mais concentrada, e os sabores de alguma forma intensificam-se. Entre um creme de abóbora ou uma canja, dá para tudo. Inicialmente temos que perceber os limites de liquido para o ponto pretendido, mas rapidamente chegamos lá. Recomendo a sopeira eléctrica, principalmente para as sopas do dia a dia. Outras mais requintadas são sempre um prato à parte. E para essas a arte deve ser outra.