Boas inspirações gastronómicas

Porque o El Corte Inglés também é cozinha, uma área de sugestões de receitas muito bem organizada. Vale a visita

Anúncios

Muito bem concebida a área de receitas do El Corte Ingles. Vale a pena clicar. Bem escolhidos os pratos e tudo explicadinho preto no branco.

http://www.apetece.elcorteingles.pt/category/receitas/eci_receitas

American dream

Sim…os americanos não sabem onde é Portugal, e são brutos, burros, o mal do mundo,  e mais todos os preconceitos de esquerda anti Uncle Sam que queiram utilizar. A cena é que não estou a ver 4 putos de Chelas ou de outra zona desfavorecida de Portugal, participarem numa competição de robótica e limpá-la como se nada fosse. É que a a maçada da igualdade de oportunidades lá é levada pelo menos um pouco mais a sério.

Por isso fica a dica da noite para ler antes de dormir. Um excelente artigo da Wired, daqueles que fizeram dela publicação culto em algumas partes do mundo:

http://www.wired.com/2014/12/4-mexican-immigrant-kids-cheap-robot-beat-mit/team-660x505

Monday sushi

2014-12-01 22.26.26 (1)Porque me apeteceu e por sorte tinha algas, arroz e vinagre em casa. O resto não é que seja fácil. Com a prática sai naturalmente e no fundo é uma cozinha tão bem mais simples do que se imagina. Mais arte requer a cozinha chinesa por exemplo. Bem mais sofisticada que a japonesa, o que não deixa de reflectir a diferença entre as duas culturas. A chinesa bem extravagante, a japonesa introspecção pura. Tanta filosofia a esta hora, e nem uma gota de sake bebi.

2014-12-01 22.24.54

Grandes Vinhos

adega-das-mouras-logoOs vinhos mais agradáveis e despretensiosos que tenho bebido nos últimos anos, têm como denominador comum uma casa chamada Adega das Mouras de Arraiolos. Fazem-se belos néctares de uva por ali. Afirmo eu sem qualquer receio do contraditório. Prima esta empresa por misturas com mestria castas tão diferentes como Syrah, Aragones, Trincadeira, Pinot Noir, entre outras tantas nacionais e estrangeiras. Instalada numa área de implantação de 330 hectares, a adega produz já 3 mil toneladas de uva por ano, destinadas em exclusivo à produção vínica.

Contudo o mais interessante é o sabor do vinho no copo. Todos os que provei até agora ficaram longe de desiludir. São vinhos alegres, que se deixam beber muito bem, especialmente se o alimento que acompanhe ajude também ao momento. A genialidade do enólogo Jaime Quendera está presente, e é prova que o homem não sabe fazer maus vinhos. Nem que tente.

Os vinhos da Adega das Mouras de Arraiolos estão disponíveis o na cadeia Aldi, minipreço e julgo que Pingo Doce. Com preços entre os 2 e os 4 euros, é um investimento de prova imperdível.
Provem quando tiverem oportunidade e deixem-me aqui umas linhas sobre a vossa experiencia. Estou curioso em perceber se sou só eu, ou se de facto os vinhos estão assim tão pertinho da perfeição.

Curioso estou em provar isto. Promete, não?

bellebull

Breve história de um ensopado de borrego

2014-11-30 20.27.49A história deste ensopado foi simples. Chegou a casa num dia de Domingo e do almoço não passou. Tratava-se de uma peça de grande qualidade de proveniência alentejana confirmada, assim como o pão porque estes pratos exigem paridade no que toca à origem dos ingredientes principais. Teve em recipiente de barro o tempo certo de forno, garantindo-se aquela textura mágica que certifica a mestria de quem o preparou. Acompanhou-se com um tinto de Arraiolos da herdade das Mouras. A bom preço e de grande paladar.

Receita mais que portuguesa, assente em ingredientes simples, sem complexidades. Fiquei a pensar nas estrelas que, como se não bastasse a troika, vêm de fora nos impingir. A esse gajedo de Bruxelas, Estrasburgo e afins ainda o povo luso lhes tem muito para ensinar em termos de boa comida e boa mesa. Que por alguma razão somos latinos e do sul. Haja orgulho.

Philips Soup Maker- a nova sopeira

transferir

 Não sou dado a gadgets na cozinha. Anti-bimby confesso embora entenda que para certas pessoas os robots de cozinha surjam como uma muleta preciosa. Um pouco nesse sentido, adquiri recentemente um auxiliar eletronico, no caso uma máquina de sopas da Philips…a Soup Maker entrou em cena para encarregar-se da rotina diário de cozer e misturar legumes com água. Ajuda a manter livre um bico de fogão e poupa à limpeza alguns utensílios.

E a avaliação? Positiva até agora…quer no ponto que os programas permitem quer na autonomia de operação da mesma. Ganham também as sopas. É que destinando-se a máquina à produção de doses suficientes para uma refeição ( 4 a 5 adultos), a cozedura é mais concentrada, e os sabores de alguma forma intensificam-se. Entre um creme de abóbora ou uma canja, dá para tudo. Inicialmente temos que perceber os limites de liquido para o ponto pretendido, mas rapidamente chegamos lá. Recomendo a sopeira eléctrica, principalmente para as sopas do dia a dia. Outras mais requintadas são sempre um prato à parte. E para essas a arte deve ser outra.